TOP BLOG

TOP BLOG
Espiritismo Redivivo

sábado, 30 de maio de 2009

BRUXARIA E FEITIÇARIA

BRUXARIA E FEITIÇARIA

Existem diferenciais para estas duas palavras? Pelos nossos conhecimentos sobre religião sabemos que algumas religiões ou seitas afro-brasileiras praticam estes tipos de rituais. A bruxaria seria um suposto exercício de poderes sobrenaturais ou acontecimento que se atribui a artes diabólicas ou a espíritos sobrenaturais. Nas sinonímias brasileiras surgem significados como bagata, bozó, bruxedo, caborje, carochas, coisa-feita, feitiçaria, feitiço, fungu, macumba, malfeito, mandinga, mandraca, mandraquice, mocô ou mocó, mundrunga, sacaca, salgação, sortilégio, trabalho resultando na ação maléfica atribuída a bruxos ou magos; magia negra. Já na feitiçaria o termo é mais comum e menos complexo dando somente conotação de ação praticada por feiticeiros (as). É um ritual muito antigo trazido por nossos antepassados que vieram ao Brasil do Continente africano como escravos.

Ressalte-se que no Império Romano, os que praticavam a magia formavam grande parte da sociedade romana. Na literatura Greco - romana faz referências à magia, principalmente no período anterior a Apuleio. Procuremos desvendar algumas nuanças sobre este nome Apuleio ou Lucius Apuleius (Filósofo e escritor satírico romano que viveu entre os anos 125 a 164) somente 39 anos de vida. Sendo filósofo e escritor satírico nascido em Madaura, na Numídia hoje transformada em Argélia, foi uma figura notável da literatura, da filosofia e da retórica platônica de sua época. Recebeu sua educação em Cartago e Atenas, esteve viajando pelo Mediterrâneo os famosos ritos de iniciação e cultos da feitiçaria. Profundo conhecedor de autores gregos e latinos, ensinou retórica em Roma antes de regressar à África para casar-se com uma rica viúva. Em virtude da oposição da família da noiva ao casamento escreveu Apologia (173), uma espécie de autobiografia.

Escreveu ainda diversos poemas e tratados, entre os quais Florida, coletânea de trabalhos de eloqüência, mas sua obra mais conhecida é O asno de ouro, uma narrativa em prosa em 11 livros a que inicialmente chamou Metamorfoses, as aventuras do jovem Lúcio, que é transformado por magia em burro e que só recupera a forma humana graças à intervenção de Ísis, a cujo serviço se consagra, e cujo episódio mais destacado dessa obra-prima, o único romance da antiguidade a chegar completo aos nossos dias, é a bela fábula de Amor e Psiquê, que pode ser interpretada como uma alegoria da união mística, relacionando cenas grotescas, terrificantes, obscenas e, em parte, deliberadamente absurdas. O tema desta obra foi retomado por muitos escritores, entre os quais, no século XIX, os poetas ingleses William Morris e Robert Bridges. Outras passagens também reconhecidas em Decameron, de Giovanni Boccaccio, no Don Quixote, de Miguel de Cervantes, e no Gil Blas de Alain Le Sage.

Morreu em Cartago. Os limites entre as duas magias e o satanismo não estão ainda bem definidos. Em por parte da história da humanidade se sobressaíram os praticantes destes rituais e cultos. Não tiveram suas práticas estatuídas (palavra que deriva do latim statuere que significa determinar em estatuto; resolver; estabelecer, decretar, deliberar, estabelecer como preceito; expor como regra). Existe também a Demolatria que é o culto ao demônio, mas convém salientar que a palavra demônio deriva do grego daimónion, e do latim daemoniu que tem a sinonímia de anjo, podendo ser do bem ou do mal. A magia poder ser “branca ou “negra” cabendo ao mago escolher o lado melhor para seu trabalho, o bem ou o mal. Se entendendo um pouco nestas significações podemos afirmar que nas crenças da Antigüidade e no politeísmo, gênio inspirador, bom ou mau, que presidia o caráter e o destino de cada indivíduo; alma, espírito, já nas religiões judaica e cristã, anjo mau que, tendo-se rebelado contra Deus, foi precipitado no Inferno e procura a perdição da humanidade; gênio ou representação do mal; espírito maligno, espírito das trevas; Lúcifer, Satanás, Satã, Diabo ou cada um dos anjos caídos ou gênios maléficos do Inferno, sujeitos a Lúcifer ou Satanás; diabo. Nas nossas pesquisas contamos também com a valorosa contribuição da Wikipédia e Evanir Santos Júnior.

Personificação do Mal; Diabo, pessoa má, ruim, perversa, de maus instintos; diabo, pessoa (especialmente criança) importuna ou barulhenta, turbulenta, irrequieta, travessa; diabo, pessoa antipática ou de feições desagradáveis; diabo. Força ou estímulo interior que excita ou conturba os sentimentos e paixões. Existe um movimento denominado - “Nova Era” que tenta desarticular todas estas nuanças e antigas concepções classificando seus credos e práticas como Wicca tentando a transformação em pura religião. Veja a complexidade do assunto, por isso os leigos, os neófitos, os discriminadores afirmam que o Espiritismo tem como ensinamentos estas pérolas. Nunca na Doutrina Espírita estes cultos tiveram vez e nunca passaram por perto, quem afirma estas barbaridades tem com intuito a discriminação e nada mais. O que é, e como ser Wicca - Bruxa ou Bruxo. As Bruxas acreditam e aceitam a Lei Tríplice, que determina que um ato sempre tenha a resposta em efeito bumerangue. O que se faz retorna três vezes para o emissor, portanto tratam de gerar bons pensamentos e fazer todas as coisas sempre para o bem de todos os envolvidos.

Em que Acreditam as Bruxas? O que é ser Wicca? • Respeito na mesma proporção não só a seres humanos, mas para a Terra, animais e plantas. • Realização dos Ritos no interior de um Círculo Mágico, pois os Círculos (espaços sagrados). • Convicção na reencarnação. • Observação da mudança das Estações do ano, com oito Sabás Solares e entre 12 e 13 Esbás Lunares (21 ritos anuais). • Crença nos aspectos femininos e masculinos do Divino. • Repúdio ao proselitismo, pois pessoas só se tornam Bruxas por escolhas próprias. • Igualdade às mulheres e homens, pois ambos são complementares, apesar de sempre a mulher ser enfocada.• Importância aos "Três Rs" : REDUZIR, REUTILIZAR , RECICLAR. • O sentido de servidão a Terra.• Respeito por todas as Religiões e liberdade religiosa.• O Repúdio por qualquer forma de preconceito. • Conscienciosidade em relação à cidadania. Fomos encontrar estas nuanças no site: http://www.misteriosantigos.com/comoserwicca.htm/ traz todas as nuanças sobre a Wicca e mais:” Respostas para as diversas deturpações atribuídas a Bruxaria. Bruxas não acreditam nem honram a Deidade conhecida como Satã, pois o demônio é uma crença da Igreja Católica e de outras correntes do Cristianismo, bruxas não sacrificam animais ou humanos, bruxas não renunciam formalmente o Deus Cristão, apenas acreditam em outros aspectos divinos, bruxas ou bruxos não odeiam os cristãos, a bíblia ou Jesus, nem são anticristãos, apenas não são cristãos, nos Sabás e Esbás não é utilizada nenhuma droga ou são feitas orgias sexuais, bruxas não praticam necessariamente Magia Negra. Bruxas não forçam ninguém a fazer algo que agrida seus princípios e crenças e bruxas não profanam Igrejas Cristãs, hóstias ou bíblias.

Como pode-se notar quando se fala em bruxo ou bruxa dá-se uma conotação completamente deturpada do que eles praticam e cultuam. Como tornar-se um praticante da Religião Wicca? Desde que os seres humanos estão neste planeta o espírito tem escolhido seres com um dom especial para trabalhar com a magia. Em verdade todos podemos estudar ciências mágicas ou místicas, mas só poderemos praticá-las depois de muito conhecimento, dedicação e treinamento. Costuma-se dizer que o aluno encontrará seu mestre quando seja a hora e momento, e eu sempre digo que não são alunos, mas filhos adotados com a alma. A Iniciação - para ser um iniciado em Wicca é necessário que se estude a filosofia pelo prazo mínimo de um ano e um dia. O ano segue o Calendário Lunar de 13 meses de 28 dias, mais um dia, no total 365 dias. Daí vem a expressão "Um Ano e um Dia", pois, quando é iniciada, a pessoa estuda durante esse período para, depois, confirmar seus votos. O Calendário de 13 Luas também era usado pelos Maias, e é o que se afina melhor com os Ciclos da Terra. Para um praticante de Bruxaria é muito importante se afinar com as fases da Lua. Quando o adepto se achar pronto para ser um (a) bruxo (a) - aceitando todos os princípios da bruxaria - pode buscar dois métodos de começar nesta filosofia pagã: através de autoiniciação ou ser iniciado por um bruxo (a) experiente e capaz.

Olhem se fossemos falar em todas as conotações da feitiçaria e da bruxaria teríamos que confeccionar e com bastante pesquisa um livro sobre o assunto. A Wicca também é conhecida como uma religião de natureza xamanística com duas divindades maiores e são bem reverenciadas, como também adoradas nos ritos como deusas. (A Deusa Mãe no aspecto triplo de Virgem, Mãe e Anciã) e seu consorte, o Deus Cornífero (no aspecto masculino). Cornífero palavra latinizada corniferu, cuja adjetivação se refere às pessoas que tem corno(s) ou excrescência em forma de corno; cornígero, cornudo, cornuto, lunado. A palavra (Corno) pode até soar mal, mas está ligada diretamente a palavra arma e tem qualificação inerente a profissão militar, força militar, feito militar, distintivo de nobreza, insígnias de brasão, armadura e o conjunto de armas ou chifres de animais cornígeros; armação, cornos, tocos. Daí dizer-se de que o homem traído ou a mulher traída levaram chifres.


Lucius Apuleius, escritor latino (Madaura, atual Argélia, c. 125 - Cartago, c. 180). - Estudou em Roma e Atenas. Casado com uma viúva rica foi acusado pelos parentes de sua esposa de haver utilizado magia para obter seu amor. Defendeu-se através de uma célebre Apologia, que se conservou até nossos dias. Sua obra mais famosa é Metamorphoseon Libri XI (Onze livros de metamorfose), mais conhecida como O asno de ouro, Apuleio escreveu também: Floridas (fragmentos de discursos) e De Deo Socratis.


ANTONIO PAIVA RODRIGUES-MEMBRO DA ACI E ALOMERCE

Nenhum comentário:

Antonio Paiva Rodrigues

Minha foto
Fortaleza, Ceará, Brazil
Este blog tem por finalidade divulgar o jornalismo pelo Brasil e no mundo. Bem como assuntos doutrinários e espirituais.