TOP BLOG

TOP BLOG
Espiritismo Redivivo

domingo, 26 de outubro de 2008

psicopatas

PSICOPATAS

A revista “Isto É”, de 29/10/2008, ano 31 / nº. 2034, trás uma matéria assaz interessante. A reportagem é assinada pela jornalista Suzane Frutuoso, tem como ponto forte a alusão de que os psicopatas estão entre nós. Ela fala também como identificar pessoas que podem, de uma hora para outra, cometer crimes tão bárbaros como os que vitimaram Isabella e Eloá.

São no linguajar médico as psicopatias. Reconhecer um psicopata não é tarefa fácil, pois muitos fatores concorrem para que uma pessoa normal se transforme num psicopata em potencial. Já que falamos em psicopatas o que seria este tipo de pessoa, como poderíamos definir? Em psiquiatria a psicopatia se robustece e tem como ponto de partida qualquer doença mental; psicose. A pessoa de ambos os sexos que se encontram no estado mental patológico caracterizado por desvios, sobretudo caracterológicos, que acarretam comportamentos anti-sociais. Pode-se também agregar a sinonímia um tipo de psicose do ser humano. “Se quem age suspeita que está cometendo um equívoco, quem observa terá certeza do erro, principalmente se for um rival.

Se, no calor da paixão, toma-se uma decisão apressadamente e com dúvidas, depois a tolice será condenada. É perigoso fazer algo de que a própria prudência duvida. Nesses casos, é mais seguro não fazer nada.
A sensatez não joga com as probabilidades, anda sempre a luz da razão. Como pode dar - certo uma idéia que logo depois de concebida já desperta receios? “E se a decisão tomada sem dúvida interior costuma sair mal, o que esperar da que começou com dúvidas - razoáveis e justificados maus diagnósticos”? Sempre existe um receio e uma dúvida nas respostas e como encarar esta difícil situação. Queria afirmar que não somos médico, mas isto não impede de emitir uma opinião. “Compreender melhor o funcionamento dos psicopatas é uma tarefa de importância vital para a humanidade. O número de portadores deste transtorno cresce vertiginosamente e eles se infiltram em todos os âmbitos do tecido social, do direito à medicina, da polícia ao mundo dos negócios e principalmente na política. O resultado é a condição de total insegurança que vivemos nas ruas, no trânsito e dentro de nossas casas. “A ação de psicopatas dentro de grandes empresas quebram a confiança de acionistas e investidores que não acreditam nos dados fornecidos pelas empresas e em seus auditores”. O Brasil tem um número acentuado de psicopatas, mas ninguém tomou uma decisão para avaliar o perigo que estamos passando. Baltasar Cracián emite alguns conselhos sobre o comportamento das pessoas.
O Dr. Osvaldo Lopes do Amaral - Diretor Clínico do INEF, especialista no assunto fala com propriedade do assunto até então quase ignorado pela maioria da população brasileira. Será que existem psicopatas em nossas famílias? Talvez sim. Corremos o risco. As reações dos psicopatas precisam ser conhecidas de todos.

Vejam a importância dessa conotação: “O acionar dos psicopatas no mundo da política tornou o mundo mais empobrecido e sem perspectivas para bilhões de seres humanos. É do contingente dos portadores deste transtorno que saem os autores dos piores crimes contra a humanidade embora um grande número deles não chegue a cometer crimes violentos”. “Os psicopatas são seres atormentados que fazem sofrer outros seres humanos mais dom que se pensa e mais do que eles próprios sofrem, por razões que ficarão mais claras neste estudo”. “São seres muito destrutivos em suas relações com o ambiente, com eles próprios e principalmente com as pessoas com quem se relacionam”. “A sua conduta dizimadora os transforma no grande inimigo do ser humano. É muito importante delimitar o conceito de psicopatia para que não se torne um rótulo aplicado indiscriminadamente, como já ocorreu com opositores de regimes totalitários e com seres humanos levados à delinqüência como última possibilidade de sobrevivência”. Mais conhecido como TPA (transtorno de personalidade anti-social. Insanidade sem delírio, transtorno bipolar, entre outros. Não existe uma causa única que determine o TPA. É um transtorno multideterminado o que significa que é o resultado de uma somatória de múltiplos fatores. “Fatores genéticos (os parentes em 1º grau do portador têm cinco vezes mais possibilidades de desenvolver o transtorno que pessoas da população em geral).


Fatores próprios da mente de cada indivíduo; cada pessoa tem uma conformação própria que é - resultado da interação de fatores inatos com as experiências e relações de cuidados (físicos e afetivos) no início da vida. Há internalizações dos vínculos primários, o que ocorre de forma diferente em cada indivíduo, determinando que cada pessoa tenha uma arquitetura interior diferente. Fatores de ordem neurológica, que mostram alterações já bem estudadas do sistema nervoso. Fatores de ordem social também participam. A aspiração sociológica aspira liberdade e distância de imposições de cunho - denominador e autoritárias e isto influencia o desenvolvimento dos psicopatas. Os psicopatas interpretam a falta de normas que temos no mundo atual como licença para violentar os direitos dos outros e não como espaço para a cidadania. A problemática da doença é que preocupa os médicos, visto que ninguém nasce psicopata. São as condições sociais da vida de cada ser humano que levam a este mal. Aqueles que não se adaptam as normais sociais que regem o comportamento sério e legal são presas fáceis da doença. O assunto é polêmico pela notoriedade que as ações dos psicopatas trazem para a sociedade. Muitos que estão na cadeia ou em presídios de segurança máxima são extremamente psicopatas.


Aqueles que manifestam o prazer em roubar, matar, levar sofrimento aos outros podem ser considerados psicopatas. Falta de adaptação ao meio em que vive é um risco. Existem inúmeras nuanças para que o indivíduo se torne psicopata, o diagnóstico mais preciso é o do médico especialista. O médico desempenha um papel primordial na conduta da sociedade, mas infelizmente esta importância sempre é relegada a um segundo plano. Irritabilidade e agressividade, indicado por brigas e agressões repetitivas são indícios. A Folha de São Paulo publica com exclusividade que já existe um novo teste para identificar psicopatas. O teste --composto de tarefas e perguntas respondidas por computador-- mostra que psicopatas assassinos fazem associações cognitivas anormais com a violência em comparação com outros criminosos. Essas associações apóiam suas ações. "Se a diferença for detectada antes que o ataque aconteça, esse teste se torna uma importante ferramenta para distinguir os psicopatas que podem cometer crimes extremamente violentos dos que não o fariam", explicou a principal autora do estudo, Nicola Gray. "Essa é a primeira vez que nós realmente pudemos ter acesso às mentes de criminosos violentos e saber quais conceitos está faltando.” Os cientistas esperam usar o teste para avaliar pessoas acusadas de crimes, mas que alegam inocência, e avaliar presos que pedem liberdade condicional. Assunto polêmico só com especialistas no assunto. Em consonância com os profissionais aqui citados estamos emitindo o nosso parecer.

ANTONIO PAIVA RODRIGUES-MEMBRO DA ACI-ALOMERCE E AOUVIRCE.

9 comentários:

Associação Espírita Caridade disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
manu_vilchez disse...

Acho que o autor do texto deveria se informar melhor sobre psicopatia. Não consegui nem chegar ao fim do primeiro parágrafo! Primeiro, gostaria de ressaltar que um psicopata não se torna psicopata, ele já nasce psicopata. Em segundo lugar, a psicopatia não tem nada a ver com psicose ou qualquer outra doença mental. Não é nem considerada doença, e sim um transtorno. O psicopata não tem delírios como um psicótico, pelo contrário, o psicopata NUNCA perde a razão, ele tem plena consciência de que está fazendo o mal à sua "presa".

ISABELA disse...

O q comentar de um jornalista q escreve trazer com s? antes de começar qualquer artigo, pra nao perder qualquer credibilidade pelo menos o português tem q ser revisado. Lamentavel!

Isadora disse...

Cara Manu,
Acabei de ler um artigo na net que diz que não se nasce psicopata, e sim, com tendencia a psicopatia, atrevés da educação dos pais que pode-se agravar a tendencia.
Pesquise mais antes de afirmar a questão pois ela ainda é muito discutida, e pouco se pode ter certeza.

Nelma disse...

Sr. Antonio Paiva,

o artigo que escreveu trata sobre um tema mesmo muito interessante e quero agradecer o esforço.

Infelizmente, o sr. cai no erro de muitos brasileiros que escrevem usando um montâo de palavras dificeis para mostrar que sâo pessoas estudadas e/ou eloquentes, quando é justamente o contrario.

Este estilo torna o texto pesado e desanima os leitores, sobretudo os internautas. Los que leem blogs reclamam uma leitura ligeira porque ler na tela do computador cansa muito mais que no papel.

Por outro lado, este tipo de redaçào da um efeito contrario do que se espera. Pois, é bem sabido que as pessoas cultas e educadas usam um linguagem accesível e cercano, visando o beneficio de todos.

De todas formas, o assunto é interessante, sobretudo em sua relaçâo com o espiritistmo e se as razôes profundas da psicopatia podia ter um transfundo espiritual, como uma obsessâo por exemplo. Infelizmente o sr. nao tocou esse ponto.
Um abraço fraterno.

Naione disse...

Segundo o que estudei em psicologia, a psicopatia é uma psicose, assim como a perversão, e ninguém nasce psicopata.
caso eu esteja enganada, gostaria que me mandasse algo sobre o assunto, afirmando o contrário. obrigada!

Sabor de Pitanga disse...

Bom, eu pesquisei e muito sobre psicopatia e, alguns entendidos, dizem que "já se nasce psicopatas", no entanto a maioria diz que "nao". O psicopata é "fabricado" de acordo com o ambiente e as experiências vividas. Há entao muita contradicao...

Particularmente, acredito que já se nasca com uma tendência. Tive como vizinha uma familia (eu era ainda menina) com muitos filhos e, quatro desses filhos - só os homens - tinham perfil psicopata. Dois deles chegaram a matar. Um era "ladrao de gravata" e um cometeu alguns delitos menos perigosos. Foram criados todos no mesmo ambiente e, se fosse uma coisa adquirida, acredito que todos os filhos seriam assim... mas, as mulheres e alguns dos outros filhos (masculinos) deram para bem...
A familia é boa, nao é de deliquentes! Classe média mais pra alta que baixa. Mas eles sairam assim... Como explicar?

Tema difícil!!!

Jorge Mourão disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Jorge Mourão disse...

cara Naione
se é por falta de uma afirmação assertiva aí vai:
A PSICOPATIA NÃO É UMA PSICOSE!
os interessado no tema, inclusive e sobretudo o autor do bisonho texto acima devem consultar a obra da especialista Ana Beatriz Barbosa Silva - MENTES PERIGOSAS, o psicopata mora ao lado - onde o assunto é tratado com competência e seriedade

Antonio Paiva Rodrigues

Minha foto
Fortaleza, Ceará, Brazil
Este blog tem por finalidade divulgar o jornalismo pelo Brasil e no mundo. Bem como assuntos doutrinários e espirituais.