TOP BLOG

TOP BLOG
Espiritismo Redivivo

sábado, 20 de março de 2010

SEITA OU RELIGIÃO

SEITA OU RELIGIÃO

Queríamos dar uma conotação sobre os Mórmons mostrando alguns aspectos sobre Joseph Smith, fundador e profeta dos mórmons. Sua luta, seus esforços para encontrar um local para seus seguidores se estabelecerem, enquanto esperava o retorno do Mestre Jesus novamente a terra, principalmente na América do Norte. Há 177 anos, os mórmons desenvolvem um trabalho de treinamento de jovens missionários com intuito de conversão por todo mundo. Com força de vontade e imensa perseverança, esses jovens espalhados por várias partes do mundo conseguiram fazer com que a religião dos Mórmons crescesse numa progressão considerável. Os mórmons, antes de conseguirem esse intento passaram por momentos difíceis com hostilidade brutal. Em consequência, o criador da religião foi assassinado por uma turba (Multidão em desordem, muitas pessoas reunidas, povo, multidão, vozes que cantam em coro.) em Nauvoo, Ilinois, no ano de 1844. Quando Josehp Smith morreu linchado por pregar sobre a poligamia, seus discípulos se dividiram em varias ramificações as duas principais eram: - Os que seguiram seu filho - E os que seguiram Brian Yang (líder semianalfabeto assim com Josehp Smith.).

Com isso houve uma divisão onde a poligamia é praticada pelos mórmons em apenas alguns lugares. Mostrando assim, que nem eles acreditam 100% nos escritos que Joseph Smith diz ter sido revelado de Deus por um anjo Moroni (placas de ouro). Pelo que pudemos notar fica claro "Igreja Reorganizada de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias” a "COMUNIDADE DE CRISTO” é a verdadeira, pois, seu líder era filho de Joseph Smith Jr, mas a igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos dias é falsa, Pois, seguiu Brian Yang que não era da linhagem direta de Joseph Smith. Então os mórmons que visitam casas e conversam com diversas famílias não são verdadeiramente mórmons. Estão duas vezes enganados. Complexa e meio conturbada a história dos mórmons. Devemos ter bom senso para criticar ou julgar a crença de nossos irmãos. Os leitores têm muitos locais para pesquisar sobre o assunto, a própria internet têm milhares e para não me alcunharam de plagiador como determinado cidadão vem incitando-me, vejam esses que insiro na matéria. My God como temos irmãos invejosos nesse mundo cruéis e desumanos, mas estamos convictos de que não estamos a julgar ninguém e sim repassando detalhes para quem não tomou conhecimento. (“http://br.answers.yahoo.com/question/index e “http://br.answers.yahoo.com/question/index/) Não seria ética a crítica e sim que se esgotem todas as nuanças sobre a história da religião. Por isso, a indagação da titularidade da matéria. Seita ou religião? Muitos teólogos dizem que o intuito da religião era a criação de um novo lar para o grupo de Utah, no México, nesse novo local a Igreja seria nominada de “Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias”. Brigham Young e seus seguidores criam na nova capital a nova religião, estabelecendo uma nova sociedade de disciplina rígida, podendo seus integrantes viver por algum tempo isolados do mundo exterior.

Hoje, eles são 12,2 milhões. E estão muito perto de ser a segunda religião da história a ter pelo menos uma congregação em cada país do planeta – logo depois dos católicos. O Brasil é o país com o terceiro maior número de seguidores. Eles são da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, e mais conhecidos como mórmons. Voltando aos acontecimentos do passado a viajem foi planejada em dois estágios, sendo que o primeiro estágio aconteceu no inverno de (1846 – 1847) passado nos arredores da atual cidade de Omaha, Nebraska, em cabanas de madeiras provisórias. Já na primavera, os viajantes cruzaram as rochosas até o Great Salt Lake, na região conhecida como Utah ou Utá, um dos cinquentas estados dos Estados Unidos da América do Norte, localizado na Região dos Estados das Montanhas Rochosas. O Utah é um dos mais importantes centros de transportes e telecomunicações do Oeste americano.

A capital e maior cidade do Utah é Salt Lake City, cuja região metropolitana concentra 65% da população do Estado. O Utah também tem um sistema de educação e de saúde nacionalmente renomados. O Estado e sua história são marcados pela forte presença dos Mórmons. Os mórmons fazem parte da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. Cerca de 60% da população do Utah são fiéis desta entidade religiosa, que fica sediada em Salt Lake City. Mórmons instalaram-se na região do atual Estado de Utah primeiramente em 1847 tendo chamado a região de Deseret - que significa "mel de abelha", na linguagem do Livro dos Mórmons. O Congresso americano criou o Território de Utah em1850 - tendo nomeado o território numa homenagem à tribo nativa americana Ute que vivia na região. Em 4 de janeiro de 1896, o Utah tornou-se o 45º Estado americano. Convém salientar que alguns Mórmons continuaram a migrar até a Califórnia e quando alcançaram a atual Salt Lake City, em 24 de julho de 1847, Yong declarou: “Este é o lugar”.

Os Mórmons trabalharam duro, principalmente os colonos nos canais de irrigação que construíram quando ainda tudo era deserto. Construíram um forte onde projetaram nova cidade. Outros imigrantes chegaram a um novo lugar que eles chamaram de Deseret. Ergueram um novo templo no centro da cidade, criaram novos assentamentos, sendo Brigham Young nomeado governador do novo território de Utah pelo presidente Filmore, em 1850. Ressalte-se que Young tinha 25 esposas e inúmeros filhos para dar continuidade a seu legado, tendo falecido em 1877. “Eu honro e reverencio o nome de Joseph Smith. Alegro-me em ouvi-lo; eu o amo”- frase dita no discurso de Brigham Young. Eram poligâmicos, e orgulhosos de serem americanos como a Coca-Cola e McDonalds, e, além disso, eles acreditam, inclusive, que Jesus Cristo deu as caras, em carne e osso, na terra de Tio Sam logo depois de ressuscitar em Jerusalém.

Um trabalho de tamanha envergadura existe a necessidade da pesquisa e aqui incluímos a revista superinteressante, “1001 dias que abalaram o mundo”, Jon Krakauer, Companhia das Letras, 2003. Quem afirmou isso foi o então adolescente nova-iorquino Joseph Smith, em 1820, o primeiro profeta mórmon. Cristo, após a crucificação, teria subido ao céu e retornado, dias depois, ao seu corpo. Ficou aqui na Terra mais 40 dias, tendo reaparecido nos EUA, na região do Missouri. Smith jura de pés juntos que ouviu de um anjo (Moroni) a informação de que povos que viveram séculos atrás nos EUA receberam esse Cristo ressuscitado. O período teria ficado registrado em placas de ouro escritas por profetas que acompanharam Jesus no continente. Essas placas desapareceram – elas teriam sido levadas de volta a Deus pelas mãos do mesmo anjo. Um dos profetas, chamado Mórmon, compilou todos os relatos das placas e Smith, 18 séculos depois, teria recebido a missão divina de reescrever essa intrincada narrativa.

Ele demorou 10 anos para publicar seus escritos, que deram origem ao Livro de Mórmon, impresso que, ao lado da Bíblia, orienta a religião até hoje. “Os mórmons se afirmavam como os donos da verdadeira palavra de Jesus Cristo e isso alfinetava o protestantismo”, diz John Gordon Melton, professor de estudos religiosos da cultura americana da Universidade de Indiana. Fora isso, tinha também o lado político da coisa. Smith era um líder carismático e estava doido para concorrer à Presidência dos EUA, o que incomodava bastante as autoridades. Alguns Mórmons foram chamados de Caras-pintadas. Até que o clima entre os mórmons e o governo americano arrefecesse, episódios bárbaros aconteceram surgindo uma curiosa irmandade: mórmons e índios. Em meados de 1850, os peles-vermelhas se aliaram aos loiros de olhos azuis no papel de oprimidos, para guerrear.

Não eram incomuns ataques a cavalarias do governo executados em conjunto. Mórmons chegavam a pintar o rosto com tinta preta, simulando características étnicas de índios, enfiando-se como lobos entre as formações rochosas da região e desnorteando as caravanas que vinham do leste do país. Ainda que Smith e Young, seu sucessor, fossem simpáticos à poligamia, a prática acabou fazendo com que aparecessem dissidentes dentro da própria doutrina. Alguns deles chegaram até a denunciar um suposto assédio do líder às esposas de membros da Igreja. A prática causou tanto falatório que acabou sendo extinta e proibida oficialmente entre os praticantes da religião a partir de uma nova “revelação divina” em 1890. Ainda hoje há religiosos que se declaram mórmons e praticam a poligamia por aí. Um exemplo é a Igreja Fundamentalista de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias – para conseguirem ter mais de uma mulher, esses dissidentes apenas acrescentaram a palavra “fundamentalista” ao nome original mórmon, e fundaram outra Igreja. Mas em que os mórmons acreditam? Um dos principais pilares da crença é que cada um de nós pode se tornar Deus. Para Joseph Smith, “Deus foi antes o que somos agora”. O que quer dizer que, ao seguir os mandamentos eclesiásticos, todo homem seria capaz de chegar à divindade. Isso me inclui e você. A salvação entre os mórmons se dá por meio do batismo. “Na hora do julgamento final, Jesus voltará para a Terra e decidirá quem irá para o paraíso. Os escolhidos serão os batizados e seguidores de sua verdadeira doutrina”, afirma Nei Tobias Garcia, do Departamento de Assuntos Públicos da sede da Igreja no Brasil. Para garantir um lugarzinho para entes queridos, é possível batizar até mesmo quem já morreu. Essa prática incentivou a criação de um Centro de Estudos da Família, que mapeia a árvore genealógica de famílias do mundo todo. Cerca de 200 milhões de pessoas mortas já foram batizadas, incluindo Buda, todos os papas, Shakespeare, Einstein e até Elvis Presley. “Quando chegar a hora do julgamento, eles vão decidir se desejam fazer parte da Igreja, mas pelo menos lhes damos a oportunidade de escolher”, completa.

É verdade que a história dos Mórmons não se resume apenas nesses aspectos, outros aspectos são de suma importância para a religião, mas precisaríamos de mais espaço para inserir toda a história. Queremos dizer que não somos dono da verdade e se alguém tem alguma contestação que o façam. Por um dever de conscientização não queríamos terminar esta matéria sem frisar que: “Na noite de 21 de setembro de 1823, três anos após ter recebido a Primeira Visão, Joseph Smith orou ao Senhor pedindo perdão pelas tolices que cometera na juventude e orientação sobre como proceder dali em diante”. O Senhor respondeu, enviando um mensageiro celestial para instruí-lo. (leia mais sobre As Visitas) do Anjo Morônijoseph escreveu: “Ele me chamou pelo nome” e me disse que era um mensageiro enviado da presença de Deus, e que se chamava Morôni; que Deus tinha um trabalho a ser feito por mim; e que meu nome seria conhecido por bem ou por mal entre todas as nações, famílias e línguas, ou que seria citado por bom ou por mau entre todos os povos. Disse que havia um livro depositado, escrito sobre placas de ouro, dando conta dos antigos habitantes deste continente, assim como a origem de sua procedência.

“Disse também, que nele se encerrava a plenitude do Evangelho eterno, como foi entregue pelo Salvador aos antigos habitantes.” (JS 2:33-34) Morôni foi o último profeta a escrever nesse registro antigo e enterrou-o no Monte Cumora, de acordo com as instruções do Senhor. Juntamente com as placas, estavam também o Urim e Tumim, usados pelos profetas da antiguidade e que Joseph deveria usar para traduzir o registro. O anjo instruiu Joseph a ir até uma montanha que ficava nas imediações e disse-lhe muitas coisas importantes a respeito da obra do Senhor nos últimos dias. Disse a Joseph que, quando recebesse as placas, não deveria mostrá-las a ninguém, a menos que o Senhor assim ordenasse. Morôni voltou para falar com Joseph mais duas vezes naquela noite e uma vez mais no dia seguinte. A cada visita, repetiu sua importante mensagem e forneceu-lhe mais informações.

Há quem diga que os Mórmons: “eram maçons ativos. Muitas partes da Cerimônia de Investidura do Templo (verbosidade, apertos de mão, posições de braço, palavras sussurradas, avental de folha de figo, contrassenhas secretas, cantos, etc.) foram plagiadas de cerimônias da Maçonaria. Joseph Smith introduziu a cerimônia de Templo mórmon dentro de dois meses depois de se tornar maçom. Havia maçons na multidão que matou Joseph, pois ele, antes de ser fuzilado, ergueu os braços numa atitude maçônica e disse: “Oh, Senhor, meu Deus”! Não há nenhuma ajuda ao filho da pobre viúva?". Eles tiveram problemas com o plágio da cerimônia maçônica na cerimônia de Templo mórmon. Outros afirmam que ele foi morto quando estava na cadeia.

No dia seguinte às visitas do anjo, Joseph foi ao Monte Cumora, como havia sido instruído. Sobre essa experiência, contou: Do lado oeste dessa colina, não muito distante do cume, sob uma pedra de considerável tamanho, estavam às placas depositadas dentro de uma caixa de pedra. No meio e na parte superior, essa pedra era grossa e redonda, porém, mais fina na direção dos bordos, de modo que a parte central era visível acima do solo, mas os bordos em redor estavam cobertos pela terra. Tendo removido a terra, consegui uma alavanca, que logrei introduzir sob o bordo da pedra e com pequeno esforço, levantei-a. Olhei para dentro e lá realmente vi as placas, o Urim e Tumim e o peitoral, conforme me fora dito pelo mensageiro. “-” (JS 2:51-52). O anjo Morôni apareceu e disse a Joseph que o encontrasse no monte dentro de um ano, àquela mesma hora, continuando essas visitas anualmente até chegar à época de Joseph receber as placas. A cada visita, Morôni deu novas instruções sobre o que o Senhor iria fazer e como Seu reino deveria ser dirigido. (Ver JS 2:27-54.) Metodista e maçom o Mormismo teve início com Joseph Smith Jr. que nasceu em 25 de Dezembro de 1805, em Vermont. Ele era o quarto filho de Lucy e Joseph Smith. O pai de Joseph era conhecido como caçador de tesouros enterrados, particularmente o do Capitão Kidd. Sua mãe era extremamente supersticiosa. Joseph Smith Jr. afirmou que estava perturbado pelas diferenças entre as denominações do Cristianismo e perguntava-se qual seria a verdadeira.

Em 1820, quando ele tinha 14 anos, ele foi para a mata para orar a respeito disto e alegou que Deus, o Pai, e Jesus apareceram a ele e lhe disseram para não unir-se a qualquer daquelas igrejas denominacionais. Três anos depois, em 21 de setembro de 1823, quando tinha 17 anos, um anjo chamado Moroni, que supostamente era filho de Mórmon, o líder de um povo chamado Nefitas, que tinha vivido na América, apareceu a ele e lhe disse que fora escolhido para traduzir o Livro de Mórmon que fora compilado pelo pai de Moroni perto do quarto século. O livro fora escrito em placas de ouro e escondido próximo de onde Joseph vivia em Palmyra, Nova York. Joseph Smith disse que em 22 de setembro de 1827 ele recebeu as placas e que o anjo Moroni o instruiu a iniciar o processo de tradução. A tradução foi finalmente publicada 1830 como o Livro de Mórmon. Joseph afirmou que durante este processo de tradução, João Batista apareceu-lhe e ordenou-lhe que completasse o trabalho divino de restaurar a verdadeira igreja pela pregação do verdadeiro evangelho que, alegadamente, havia se perdido da Terra.

O Livro de Mórmon é, supostamente, a história de um povo que veio viver no Meio-Leste da América do Norte. Ele cobre o período de 600 A. C. a 400 D.C. Fala acerca dos Jareditas, povo que se originou na Torre de Babel e que veio para o centro da América, mas que pereceu por causa da sua própria imoralidade. Ele descreve, também, alguns judeus que fugiram da perseguição em Jerusalém e vieram para a América - liderados por um homem chamado Nefi. Os judeus eram divididos em dois grupos conhecidos como Nefitas e Lamanitas, que lutavam entre si. Os Nefitas foram eliminados em 428 D.C. Os Lamanitas continuaram e são conhecidos como os Índios Americanos. O Livro de Mórmon é o registro do líder Nefita, Mórmon, acerca da sua cultura, civilização e da aparição de Jesus aos americanos. Depois da publicação do Livro de Mórmon, o mormonismo começou a crescer. Devido ao fato da sua religião aceitar desvios do Cristianismo, como por exemplo, pluralidade de deuses, poligamia (dizem que Joseph teve 27 esposas).

A perseguição forçou-os a mudar-se de Nova York para Ohio, depois para o Missouri, e finalmente para Nauvoo, Illinois. Depois de ser acusado de quebrar algumas leis em Nauvoo (por destruir uma gráfica que estava imprimindo uma publicação que alertava contra o mormonismo), Joseph e seu irmão Hyrum terminaram na cadeia. Depois, uma multidão invadiu a cadeia e matou Joseph e seu irmão. Depois da sua morte, a igreja dividiu-se em dois grupos: um liderado pela sua viúva, que voltou para Independence, Missouri. Eles eram conhecidos como Reorganized Church of Jesus Christ of Latter-day Saints (A Igreja Reorganizada dos Santos dos Últimos Dias).

Como vemos há uma indecisão quanto ao modo em que foi moto Joseph Smith, pois alguns afirmam ter sido ele assinado na prisão e outros de que ele teria sido fuzilado durante a dissidência. Eles afirmavam ser a igreja verdadeira e permaneceram afirmando ter a sucessão legal da presidência da igreja que fora passada para o filho de Joseph Smith por ele mesmo. O outro grupo, liderado por Brigham Young, foi para Utah aonde, em 1847, chegaram ao Lago Salgado e fundaram a cidade de Salt Lake City. Brigham teve 25 esposas e acumulou muita fortuna.•.

ANTONIO PAIVA RODRIGUES- MEMBRO DA ACI- DA ALOMERCE- DA AOUVIRCE- DA UBT E AVESP

Um comentário:

Gabriel disse...

Olá gostaria de fazer algumas colocações sobre o artigo que conta com uma quantidade consideravel de informações e fatos históricos sobre os mormons.
Sou cristão protestante e não entendo que o mormonismo seja uma religião, uma vez que tenta se apropriar de textos biblicos para dar razão as crenças que pregam.
Na Bíblia no capítulo 1 de Galatas diz que ainda que um deles (apóstolos) ou um anjo vindo dos céus anunciassem outro evangelho além do que eles já tinham conhecido, a ordem é que seja anátema (maldito).
A bíblia tembém diz que Jesus Cristo é o único mediador entre Deus e os homens.
e Jesus disse na ressurreição de Lazaro Eu sou a ressureição e a Vida e quem crê em Mim ainda que esteja morto viverá.
Em Apocalipse 22 19 E, se alguém tirar quaisquer palavras do livro desta profecia, Deus tirará a sua parte do livro da vida, e da cidade santa, e das coisas que estão escritas neste livro.
quem faz a vontade de Deus ama a Deus e em nenhum outro livro esta descrito como andar segundo a vontade de Deus, conhecer as verdadeiras promessas que Ele tem para os que creem em Jesus, por em pratica o que Deus nos ordena na Sua Palavra. Mas Deus é tão bom que nos dá o direito de escolher em qual caminho seguir, ou em que acreditar, a humanidade escolheu com o 1º homem comer o fruto que Deus tinha dito que eles não deveriam e não poderiam comer que quando comessem iriam morrer desde então, a humanidade que está totalmente distante de Deus e corrompida pelo pecado não reconhece sua condição de pecadora e que precisa de Deus.
tentam se salvar fazendo boas ações, ajudando pessoas, sendo "bons" mais nunca se voltam para Aquele que os criou, colocam suas expectativas, necessidades e vontades como mais importantes. se auto idolatram querem o bem, querem ser felizes, prazer, satisfação.
não sabem o que é ter uma vida plena, voltada para fazer a vontade de Deus,
estão cegos, geração incrédula, mais ainda assim seguem doutrinas humanas de revelações que homens tiveram sabe-se lá de quem? levam milhares e milhares a se tornarem escravos de suas doutrinas e pregam que a salvação está unica e exclusivamente na sua religião
digo que religião nunca irá salvar
o único que pode salvar é Jesus Cristo.
obrigado pelo espaço para opinar

Antonio Paiva Rodrigues

Minha foto
Fortaleza, Ceará, Brazil
Este blog tem por finalidade divulgar o jornalismo pelo Brasil e no mundo. Bem como assuntos doutrinários e espirituais.